quarta-feira, 27 de julho de 2016

Eu assisti: Stranger Things


Stranger Things é provavelmente a série mais cativante para quem foi criança ou adolescente nos anos 80.
Eu nos meus 30 e tantos assistindo a trupe mirim de amigos em busca do sumido Will Byers, senti vontade de ser criança novamente.
Senti vontade de desafiar o mundo montado em uma bicicleta sem marcha, e armado de um poderoso estilingue destruidor de monstros de outra dimensão.
A série trás muitas referências, das quais as mais perceptíveis são: Alien, E.T. - O Extraterrestre, Poltergeist, J.R.R. Tolkien, Tubarão, Goonies e trás também alguns easter-eggs. Por ser ambientada no ano de 1983, trás também ótimas músicas, como por exemplo: Should i stay or should i go, Whit Rabbit, Heroes, entre outras.

Além dessa característica nostálgica, a qual está muito evidente nos comentários, a série tem um ótimo elenco mirim, uma trama interessante com uma mistura de terror, fantasia, suspense, mistério, um pouco de romance... Na primeira temporada quase nada é revelado sobre a dimensão Silent Hill, a criatura do Labirinto do Fauno e a menina metida a Imperator Furiosa com poderes da Fênix do X-Men.
A temporada caminha mais para descobrir o que aconteceu com Will Byers e pessoas ligadas a ele do que explicar os estranhos fenômenos. Fica bem claro que existe algo sobrenatural acontecendo e tem alguma instituição responsável por isso, mas a série não aprofunda nos "porquês" e origens. Provavelmente isso será trabalho para a segunda temporada, que aliás, venha logo!

Todos os integrantes Goonies são um show de interpretação e Dustin é o alívio cômico da turma, sem necessariamente ser o bobo, mas sim sendo o inteligente garoto do sorriso banguela, que une os amigos mesmo que tenha uma estranha entre eles.

Realmente, gostei muito dessa série.

Obs.: Partes no texto em itálico são as comparações que fiz, não significa que sejam referências. Por falar nisso, existem muito mais referências do que citei, porém disso todo mundo já tá falando né.

Até o próximo post!






domingo, 24 de julho de 2016

Hábitos - Rascunho e uísque.


Nova página publicada no site Rascunho&Uísque, trás o título de "Hábitos". Um texto que reflete sobre os defeitos humanos, alvos de crítica dos outros ou da auto critica.
No texto, defende que nem sempre devemos levar a vida combatendo nossos defeitos motivados pelo que outras pessoas dizem.

As outras pessoas não são tão sábias a ponto de definir o que devemos fazer e como devemos fazer para eliminar nossos defeitos. É preciso perceber que aqueles que trazem soluções para tudo, são também suscetíveis aos maus hábitos.

Com base nessa ideia, será que devemos levar ao pé da letra e não ouvir ninguém?
Bom, cada um tem o seu tempo, cada um pode encontrar o que é melhor para si. As vezes parar de beber, de fumar, de se auto destruir, de engordar ou outra banalidade, é um ato tão comum como parar de roer as unhas. O que realmente importa é saber encontrar em si mesmo, o momento de deixar fluir.

Eu digo a verdade? Decida você leitor! Só não se esqueça daquela música:

Ouça o Que Eu Digo: não Ouça Ninguém. - Engenheiros do Hawaii. 

 Até o próximo post!