segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Momento melancolia - Música brasileira.


Quando se inicia uma conversa sobre cultura, sempre existem enfadonhas desculpas: "O que é bom está no passado.", "Não se fazem mais como antigamente.", "Antes era mais autêntico!", "Antes tinham criatividade.", "O que vale a pena está no passado!", "Eu nasci na época errada"...
Em partes concordo com os dizeres daqueles que são nostálgicos, ou até daqueles que se quer viveram o que foi os anos oitenta, mas buscam através da cultura sentir o passado.
Porém não acredito que a criatividade morreu, não quero aceitar que boas músicas deram lugar ao funk e poluições universitárias.

O que realmente acontece é o interesse da mídia em explorar o gosto da maioria. É válido afirmar também, que a mídia influencia o gosto musical do indivíduo. Se pensarmos dessa forma, os culpados por tanta porcaria ganhar espaço na mídia, somos nós.
Indiretamente, a maioria das pessoas gostam de compartilhar músicas(entenda como porcaria) ruins porque acham engraçado, o problema é que por muito compartilhar, ganha se um público sólido, claro que tem sim quem gosta e compartilha por gostar, quanto a isso não tem problema, cada um tem o direito de ler, ouvir ou assistir o que bem entende.
A consequência de "viralizar" porcarias, é que a mídia pega carona no gosto ruim e transforma em gosto popular, e dessa forma abre todo espaço destinado de divulgação cultural para mostrar somente o que tem potencial de lucro. E infelizmente nos últimos anos, o que trás lucro não é um bom gosto.
Isso não significa que sou contra a divulgação de diferentes estilos e gêneros musicais. O problema é a mídia garimpar no lixo e ignorar artistas com um maior talento e de pouca visibilidade. Claro que quem tem que correr atrás de divulgar o trabalho artístico é o próprio artista, porém nesse meio em que prolifera a baixa qualidade, quais são as chances de uma boa letra com arranjo e melodia competir com os Mcs da vulgaridade?

E sim! Existem ótimas músicas por ai, porém temos que procurar e valorizar o trabalho daqueles que não tem espaço. Devemos (nós que gostamos de boas músicas) deixar de resgatar os artistas da era vinil e fita cassete. Parar de compartilhar Mcs e semelhantes porque achamos engraçado e ter maior curiosidade para encontrar novas boas músicas.
Temos que usar a internet e explorar além das sugestões, e dessa forma conhecer e compartilhar novidades que merecem notoriedade, mesmo que seja inevitável ouvir por tabela refrões do tipo "lepo lepo, "um por cento vagabundo", "deixa ele sofrer", "tá tranquilo, tá favorável", "assim você me mata", e outros tantos que de tempo em tempo somos obrigados a ouvir nos diversos ambientes.

Eu farei a minha parte, mesmo com pouca visibilidade, vou sempre postar por aqui alguma boa música. E refletindo sobre isso que fiz os seguintes textos:

Você viu?
Ali no canto juntando poeira.
Qualquer som de vil acorde.
Para uma rima sem eira.
Tem quem se importe?
Há quem diga, a arte jaz no passado...
A música não mais é,
falta sinônimo para o que morreu.
E a cultura servida crua, apodreceu.


Tem também lá no meu site um texto mais dramático que falo sobre isso:
Nascido em 1990

Caro leitor, espero que goste do que leu e venha comigo, vamos procurar e compartilhar bons artistas... Eles existem! Estão espalhados por esse imenso Brasil.